quarta-feira, 26 de maio de 2010

quero andar de balão *

e hoje falo como se não houvesse passado, como se não houvesse tempo nem espaço .
e ontem senti que não havia maneira, que não havia jeito de se pensar .
e de noite não sonhei, não tive tempo nem espaço para sonhar .
não penso em nada, em ninguém .
quero ser tudo aquilo que nunca em tempo algum tive a minima oportunidade de ser .
nem que para isso tenha que esquecer que tive passado - próximo ou não .
quero voar para onde não houver céu ; quero andar por onde não há trilhos para traçar ; quero falar de modo a que ninguém me consiga ouvir .
e quero viver porque há quem não goste dessa ideia .
quero juntar todas as memórias boas e guardá-las numa caixa debaixo da cama .
e as más ? deito-as fora ? lanço-as ao vento, ao mar ?
não . as más vou amealhando e pondo num saquinho transparente em cima da mesinha-de-cabeceira - só assim poderei aprender, com o lado menos bom, a valorizar tudo o que de bom aconteceu .
esquecer ? não, não sou de esquecer .
vou recalcando e recalcando o que me apoquenta .
pode ser que um dia se justifique ter que esquecer .
mas por enquanto vou juntando caixas de papelão e saquinhos transparentes .
vai chegar o dia em que vou ter a alegria de dizer que estão equivalentes .

2 comentários:

Sara disse...

um dia vais conseguir ter equivalencias
tnho a certeza amor «3

Sara disse...

fazes parte de mim estrelinha *